quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Quase 400 médicos emigraram no ano passado


No ano passado, 387 médicos decidiram emigrar, adianta o bastonário da ordem (OM) que os representa, José Manuel Silva. Apesar de a saída de médicos para o estrangeiro não ser uma novidade, o aumento do número dos que estão a sair para trabalhar noutro país começou a preocupar a Ordem dos Médicos – que em 2014 fez contas para perceber, com algum rigor, quantos profissionais decidiram fazer as malas e abalar para outro país.


“Em 2014 emigraram 387 médicos e cerca de 1100 pediram o certificado à Ordem [documento para poderem exercer a profissão noutro país]”, contabiliza José Manuel Silva. Quando um médico pretende emigrar necessita de um certificado para apresentar nas instituições, os chamados “good standing certificates”, que têm vindo a aumentar nos últimos anos. Este foi o ano mais expressivo em termos de pedidos, adianta. 

Este tema vai estar esta tarde em discussão no 32.º Encontro Nacional de Medicina Geral e Familiar, no Estoril, onde o bastonário da OM participa num debate sobre “Desemprego e Emigração Médica”. “Este será o momento oportuno para abordar muitas das questões que no presente e no futuro exercem influência sobre a saída ou permanência dos médicos portugueses em solo nacional”, antecipam os organizadores da iniciativa.

Preocupado com as saídas num país em que se fala sistematicamente da falta de médicos no Serviço Nacional de Saúde (SNS), José Manuel Silva frisa que os profissionais de saúde saem para o estrangeiro porque vão ganhar substancialmente mais, mas também porque estão desmotivados. “Há jovens especialistas à espera dos concursos [para entrar nas unidades do SNS] a ganhar como internos da especialidade. Há médicos a ganhar oito euros limpos à hora”, lamenta.

À semelhança do que acontece com os enfermeiros, Portugal transformou-se assim num viveiro para o recrutamento de médicos. Há países, como o Reino Unido, por exemplo, que preferem contratar médicos já formados do que formar profissionais. Os vários anúncios de empresas de recrutamento que se encontram no site da OM provam que os salários oferecidos são muito superiores aos praticados no país. No ano passado, vários hospitais da Arábia Saudita vieram a Portugal recrutar médicos e ofereciam salários que oscilavam entre oito e os 11 mil euros por mês.



Dieta para Colesterol LDL Alto – Alimentos e Dicas

Quando você tentou atacar a porção de batatas fritas, pediu o sanduíche com bacon ou escolheu no cardápio o fettucine à parisien...