sábado, 12 de setembro de 2015

Lisboa e Porto pararam para ouvir "não" à Uber



Foi a maior manifestação de taxistas de sempre e a mobilização teve como alvo a Uber, a empresa que veio mudar em Portugal a forma de ligar um cliente a um motorista. Os taxistas estão prontos para mais manifestações. Tudo depende de uma resposta do Governo, prevista para dia 21.

“Contra o transporte à margem da lei”. “Por uma concorrência justa”. Frases como estas repetiram-se esta terça-feira nos cartazes colados nos vidros e portas dos táxis que, pelas 8h30, iniciaram uma marcha lenta por Lisboa em protesto. Quem está à margem da lei é a Uber, a aplicação tecnológica que liga o cliente a um motorista e que tem a sua actividade suspensa por ordem do tribunal, mas que, cinco meses depois da decisão, continua a operar.

No canto superior direito do vidro do táxi, Maria Santos tem o seu cartão de aptidão profissional de motorista de táxi, no qual se vê uma fotografia a preto e branco, já antiga. “A cada cinco anos tenho que renová-lo. Para o ter, tenho que realizar uma série de testes. E tem despesas”, conta Maria dos Santos ao PÚBLICO, enquanto conduz entre os mais de 3000 taxistas que responderam ao apelo de protesto feito pela ANTRAL (Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros), entre o Parque das Nações e a Praça do Comércio.

“A ANTRAL tem razão na maior parte das questões em relação à Uber. Esta é a forma de mostrarmos que estamos unidos. Temos que nos manter unidos nesta questão”, continua a taxista, de 55 anos, mais de 30 ao volante de um táxi. Perto da viatura de Maria dos Santos, um grupo de taxistas também comenta o que os levou ali. José Augusto Brandão, 44 anos, assume as rédeas da conversa e afirma que a manifestação quer “contestar as medidas que o Governo não tomou”. “Há problemas nos transportes em geral, mas este é muito grave para o sector”.

Depois do Parque das Nações, uma longa paragem no acesso ao aeroporto pela Segunda Circular. Através de telefonemas de colegas mais à frente na marcha ia-se sabendo que não havia táxis em serviço na zona. À chegada ao Aeroporto da Portela, onde um forte dispositivo da PSP já os aguardava, os taxistas fizeram-se ouvir com fortes buzinadelas. O aeroporto era uma das zonas delicadas da manifestação. 

Tem sido ali que têm ocorrido confrontos entre taxistas e motoristas ao serviço da Uber. Esta terça-feira, não havia sinal de qualquer viatura Uber. Na zona das chegadas dezenas de turistas aguardavam por um Aerobus como alternativa para os levar até ao centro da cidade. Durante cerca de uma hora, centenas de viaturas permaneceram ali imóveis mas ruidosas. Entre a música tecno que saía de uma carrinha-táxi, ouve-se que esta é a “maior manifestação de taxistas de sempre”.

Quem não protestou recebeu ovos
As viaturas retomaram o movimento uma hora e meia após o início do desfile. O PÚBLICO apanhou boleia de Zico Lampreia, taxista há seis anos. O nome Uber suscita um suspiro no motorista de 32 anos. “Estamos desiludidos. Por isso o objectivo de hoje é parar a cidade. A Uber está a acabar com o nosso negócio. Há menos pão a entrar em casa. Qualquer dia perdemos a cabeça”, desabafa Zico. 

O taxista faz o serviço nocturno e diz que “por várias vezes” já se cruzou à porta das discotecas com viaturas Uber. “Eles assim acabam com a classe”, reforça. Até ao aparecimento da Uber, Zico conta que conseguia levar para casa 90 a 100 euros por noite. “Agora não passo dos 30 ou 40”. Tal como outros taxistas, admite que a “Uber está muito bem preparada”. Reconhece que “são muito atenciosos com os clientes”. “Mas não têm as despesas que nós temos”, resume Zico. 

Nova paragem no desfile, agora na Avenida Gago Coutinho. É ali que começam a registar-se os primeiros incidentes do protesto. Apercebendo-se da passagem de taxistas em serviço, motoristas saem das viaturas e arremessam ovos aos carros dos colegas. “Não podemos aceitar que haja colegas a fazer negócio neste dia. Estamos a manifestar-nos por eles”, diz irado um taxista de ovo na mão.

O protesto prosseguiu até ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT). Aí, a ANTRAL recebe a primeira resposta positiva quanto ao que está a ser feito quanto à Uber. O presidente do IMT garantiu ao dirigente da associação, Florêncio de Almeida, que os autos contra a empresa levantados pela polícia estão a ter seguimento.

Apesar do apelo à não-violência que se foi fazendo durante o desfile, a cada paragem dos taxistas surgiram ovos em direcção aos táxis em serviço que passavam. Houve lugar também a pontapés às viaturas quando estas paravam em semáforos. Depois da passagem pelo IMT, deu-se mesmo o caso de uma agressão a um taxista, depois de a sua viatura ter sido alvo de ovos. Os ânimos exaltaram-se e um repórter fotográfico que estava a registar o incidente acabou também por ser agredido. A organização apresentou desculpas ao jornalista.





Dieta para Colesterol LDL Alto – Alimentos e Dicas

Quando você tentou atacar a porção de batatas fritas, pediu o sanduíche com bacon ou escolheu no cardápio o fettucine à parisien...