quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Telefonema salvou uma portuguesa do ataque no Bataclan

Telefonema salvou uma portuguesa do ataque no Bataclan

TelefonemaTelefonema salvou uma portuguesa do ataque no Bataclan:Uma portuguesa a viver em Paris deveria ter estado no Bataclan à hora do atentado não fosse um telefonema de última hora que a levou a atrasar-se cerca de 40 minutos.

Mariana Silva, de 20 anos, preparava-se para sair de casa com um grupo de mais três amigas quando foi obrigada a permanecer ao telefone para acertar detalhes relacionados com um trabalho que estava a fazer para Portugal.

"Foi um telefonema sobre coisas completamente insignificantes, como o tipo de fita cola, mas que me fizeram atrasar 30 ou 40 minutos."

Durante esse tempo, as três amigas, ao seu lado em casa, diziam-lhe, impacientes, para se despachar porque havia outros amigos à espera - o plano seria festejar um aniversário no Bataclan .

Ao saberem do atraso, esses amigos, que já iam a caminho da sala parisiense, decidiram parar num bar para beberem um copo e fazer tempo. Até que Mariana e as amigas saíram, finalmente, de casa, em passos lestos.

"Foi quando descemos para a rua que se deu o alerta e começamos a ver o metro a parar e as esplanadas todas a fechar." Em simultâneo, "os telefones começaram todos a tocar" e "falava-se que havia atentados e que o país estava em guerra".

"Isso criou um bocadinho de pânico até porque logo a seguir os telefones deixaram todos de funcionar e ficamos sem saber uns dos outros", conta-nos.

Três horas de aflição

As amigas regressaram para casa de Mariana e ficaram sideradas com as notícias na televisão. "Falavam em cem mortos no Bataclan e durante mais de três horas não conseguimos falar com o resto do grupo".

A inquietude só abrandou quando finalmente souberam que os restantes amigos acabaram por não entrar no Bataclan, pois apareceram no momento em que a polícia chegou.

Em Portugal, o pai de Mariana também viveu momentos de agonia. João Silva preparava-se para inaugurar a Casaporto, um evento na rua Nova da Alfândega, no Porto, quando foi a um restaurante pedir uma ficha tripla. Foi aí que olhou para a televisão e começou a ver as imagens.

"Comecei a ouvir falar em tiros e em mortos e reconheci logo a rua e fiquei absolutamente petrificado porque sabia que ela estaria por ali." "Por sorte, por minutos, por segundos elas não estiveram envolvidas". "Foi uma noite muito complicada", desabafa.

Telefonema Telefonema

Dieta para Colesterol LDL Alto – Alimentos e Dicas

Quando você tentou atacar a porção de batatas fritas, pediu o sanduíche com bacon ou escolheu no cardápio o fettucine à parisien...